16

O Livro das Fadas Prensadas de Lady Cottington

Vi O Livro das Fadas Prensadas de Lady Cottington (Lady Cottington’s Pressed Fairies Book, Inglaterra, 1994) a uns 6 anos em uma palestra e sabe aquele momento em que tudo para e você fica com o joelho bambo? Eu estava totalmente encantada pelo livro! Ele tem a capa acolchoada e as ilustrações são divinas!

É o diário de Angelica Cottington, uma garota sem amigos, que revela o dom de atrair e conversar com fadas, duendes e outros serezinhos. A garota sádica decide prensar as fadas em seu diário para que todo o mundo pudesse ver, motivo do título da obra. Parece uma obra para crianças, mas que fique claro que não é! O diário é dos 8 aos 22 anos de Lady Cottington e em alguns períodos as fadinhas vão levá-la até mesmo para conhecer os prazeres do sexo.

Já li ele na Internet, porque infelizmente o livro não é tão fácil de encontrar quanto eu imaginava da primeira vez que o vi (se soubesse na hora, provavelmente teria cometido um furto)… aliás, é impossível encontrá-lo! Já pertubei o universo inteiro falando da minha paixão por esse livro e como está chegando meu aniversário, sempre vale a pena ressaltar.

Aqui você consegue ver o livro completo: É a coisa mais linda!

Anúncios
1

Dez (quase) amores

Segunda-feira, dia de Beco e no caminho sempre tem uma FNAC: a perdição! Não poderei passar reto sem comprar pelo menos um livro e não foi preciso fazer uma procura muito grande, ele simplesmente apareceu na minha frente no setor errado, já com a orelha virada. Dez (quase) amores, da Cláudia Tajes é um daqueles livros que não me chamaria atenção… porém, a descrição me deixou em choque: É pra mim!

“O homem dos seus sonhos não cometeria a deselegância de se chamar Bejair ou usar alpargatas. Você morreria antes de pensar em ser infiel. Não passa pela sua cabeça namorar alguém que você não goste. E homem casado, nem pintado de ouro. Mais baixeza que isso, só participar de suruba.”

O livro é uma sessão terapêutica, tive que devorá-lo no mesmo dia. Narra a vida amorosa de Maria Ana, personagem sensível que sonha com todo aquele conto de fadas, mas enquanto não dá certo, se diverte e vai pra próxima. Típica mulher contemporânea desta modernidade líquida.

São dez contos estilo comédia romântica, com muito mais comédia que romance.  É hilário! É uma narração leve que transforma dramas, que com certeza você também vai se identificar, em riso. Cada conto é um novo grande amor, por um príncipe inusitado (vai desde um médico a um papai-noel) que se transforma em coração partido e se regenera.

“Desesperada sim, pero sin perder la ternura jamás”