Dez (quase) amores

Segunda-feira, dia de Beco e no caminho sempre tem uma FNAC: a perdição! Não poderei passar reto sem comprar pelo menos um livro e não foi preciso fazer uma procura muito grande, ele simplesmente apareceu na minha frente no setor errado, já com a orelha virada. Dez (quase) amores, da Cláudia Tajes é um daqueles livros que não me chamaria atenção… porém, a descrição me deixou em choque: É pra mim!

“O homem dos seus sonhos não cometeria a deselegância de se chamar Bejair ou usar alpargatas. Você morreria antes de pensar em ser infiel. Não passa pela sua cabeça namorar alguém que você não goste. E homem casado, nem pintado de ouro. Mais baixeza que isso, só participar de suruba.”

O livro é uma sessão terapêutica, tive que devorá-lo no mesmo dia. Narra a vida amorosa de Maria Ana, personagem sensível que sonha com todo aquele conto de fadas, mas enquanto não dá certo, se diverte e vai pra próxima. Típica mulher contemporânea desta modernidade líquida.

São dez contos estilo comédia romântica, com muito mais comédia que romance.  É hilário! É uma narração leve que transforma dramas, que com certeza você também vai se identificar, em riso. Cada conto é um novo grande amor, por um príncipe inusitado (vai desde um médico a um papai-noel) que se transforma em coração partido e se regenera.

“Desesperada sim, pero sin perder la ternura jamás”

Anúncios

Um comentário sobre “Dez (quase) amores

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s